Resenha: O Iluminado de Stephen King

Terror Psicológico. O iluminado, apesar do início ser lento, é um dos melhores livros que já li do King. Passei toda a leitura com um misto de sensações. Senti aflição, angústia, desespero, medo… A tensão está presente do início ao fim. Livro favoritado!

Sinopse

O romance, magistralmente levado ao cinema por Stanley Kubrick, continua apaixonando (e aterrorizando) novas gerações de leitores. A luta assustadora entre dois mundos. Um menino e o desejo assassino de poderosas forças malignas. Uma família refém do mal. Nesta guerra sem testemunhas, vencerá o mais forte.

Danny Torrance não é um menino comum. É capaz de ouvir pensamentos e transportar-se no tempo. Danny é iluminado. Será uma maldição ou uma bênção? A resposta pode estar guardada na imponência assustadora do hotel Overlook.

Em O Iluminado, quando Jack Torrance consegue o emprego de zelador no velho hotel, todos os problemas da família parecem estar solucionados. Não mais o desemprego e as noites de bebedeiras. Não mais o sofrimento da esposa, Wendy. Tranquilidade e ar puro para o pequeno Danny livrar-se das convulsões que assustam a família. 

Só que o Overlook não é um hotel comum. O tempo esqueceu-se de enterrar velhos ódios e de cicatrizar antigas feridas, e espíritos malignos ainda residem nos corredores. O hotel é uma chaga aberta de ressentimento e desejo de vingança. É uma sentença de morte. E somente os poderes de Danny podem fazer frente à disseminação do mal.

Resenha

Agora eu consegui entender o motivo das pessoas recomendarem O iluminado como o primeiro livro para quem deseja iniciar sua jornada de leitura dos livros do Stephen King. Realmente, essa obra é mais do que perfeita para conhecer a escrita e a mente criativa do autor. 

Como sempre, sou diferente da maioria das pessoas e comecei a ler King por Christine, um calhamaço que me fez apaixonar pela escrita do autor, mas concordo totalmente com quem fala que a melhor forma de começar a ler o autor é por O Iluminado. E por qual motivo? Simples: a construção dos personagens é impecável, o terror psicológico é trabalhado de forma a deixar o leitor com uma tensão sufocante que cresce conforme as mudanças ocorrem com Jack, o lado sobrenatural é aterrorizante e, acima de tudo, a narrativa prende o leitor de tal forma, que é quase impossível largar o livro.

Os livros do King não são de leitura rápida. São histórias com uma carga pesada, seja na tensão, no próprio terror, ou mesmo no lado doentio da mente humana. O autor nos apresenta de forma crua o lado obscuro do ser humano. São livros que precisam ser digeridos e muitas vezes precisamos forçar para conseguir engolir. Aquela sensação de alimento que desce rasgando o esôfago, sabe? Senti isso em todos os livros que já li do autor e com O iluminado não foi diferente. 

A construção dos personagens é um show a parte. Me apaixonei por Danny, senti muita pena de Jack e fiquei com pavor do hotel Overlook. Sim, o hotel é um personagem. É incrível! 

Enfim,  apesar do início ser lento,  O iluminado é um dos melhores livros que já li do King. Passei toda a leitura com um misto de sensações. Senti aflição, angústia, desespero, medo… A tensão está presente do início ao fim. Livro favoritado!

Livro x Filme

Vocês acreditam que eu nunca havia assistido ao filme? Pois é! Nem eu acreditei nisso. Assim que terminei minha leitura, corri para assistir o clássico produzido e dirigido por Stanley Kubrick, em 1980 (meu ano de nascimento), The Shining (O iluminado). 

A obra é baseada no romance e apesar de algumas diferenças, é bastante fiel ao livro. Na época em que o filme foi lançado deve ter aterrorizado as pessoas que o assistiram. Eu gostei do filme, mas prefiro muito mais o livro. 

E por que eu prefiro o livro? Bem, a atuação de Jack Nicholson é impecável fazendo o papel de Jack Torrance, disso não tenho do que reclamar. O homem consegue interpretar com maestria a cara da loucura do personagem. Só isso já dá um medo desgraçado… O que eu não gostei do filme é que ele transformou Danny em um personagem totalmente diferente do que temos no livro e Wendy em uma mulher que só chora. O menino esperto, cativante, que queremos colocar num potinho, se resumiu à uma criança esquisita. 

O filme é bom, é bem bom para falar a verdade. Mesmo sabendo da história, fiquei apreensiva e me peguei gritando com Danny pra ele fugir da situação…  O que mais me deixou chateada foi o final do filme, bem diferente do livro. Porém, recomendo que assistam! A experiência será completa para o leitor. 

Agora, iniciarei a leitura de Doutor Sono (a continuação) e não vejo a hora do lançamento do filme!

Fujam do quarto 217! Redrum.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários

comments

%d blogueiros gostam disto: