Leia.Seja | Dia Internacional do Livro: 23 de Abril

E hoje é o Dia Internacional do Livro! Nada melhor do que comemorar esta data, participando da campanha de incentivo à leitura Leia Seja. Mas antes de falar sobre a campanha, quero comentar um pouco com vocês o que ler significa para mim.

Livros, um caso de amor

Desde criança (antes mesmo de aprender a ler) os livros me chamavam a atenção. Lembro que por volta dos meus 3 ou 4 aninhos, minha maior diversão era tirar da estante os livros de minha mãe e manuseá-los, tentando decifrar o significado daquelas coisas que estavam dentro daquelas páginas. Claro que eu não entendia nada, mas o fascínio me dominava.

Muitas e muitas vezes minha mãe me pegava rabiscando seus livros… na minha cabecinha de criança, eu tentava desenhar aquelas letras (que via escrita no papel), para assim, quem sabe, compreender as coisas. Adorava olhar os desenhos, figuras e as formas das letras. Meu fascínio foi tanto, que na escola, enquanto as outras crianças desenhavam casinhas e bonequinhos, eu tentava desenhar as letras.

Toda essa minha curiosidade me levou a aprender a ler muito rápido. Comecei a ler precocemente e adorava brincar com minha mãe de ditado (ela me falava palavras e eu tinha que escrevê-las corretamente em meu caderno). Cresci apaixonada pela leitura e os gibis foram meus companheiros por muitos anos.

Na escola, enquanto meus colegas odiavam precisar ler aqueles livros paradidáticos, eu os devorava. Aproveitava sempre a oportunidade, já que não tinha condições financeiras para comprar livros com frequência. Na época, não existia essa facilidade em encontrar livros digitais… aliás, nem internet existia ainda.

Minha maior felicidade foi estudar em um colégio que possui uma enorme biblioteca… Virei uma leitora quase que compulsiva e foi nessa época que me apaixonei por Stephen King! Mas, se você me perguntar qual foi o livro que mais me marcou na vida, eu vou falar sem pestanejar sobre o livro Pollyanna.

Pollyanna Menina

Acredito que todo mundo já ouviu falar nesse livro algum dia na vida. Pollyanna é um clássico, escrito por Eleanor H. Porter que conta a história de uma menina órfã, com 11 anos de idade e o seu “Jogo do Contente”.

Links: Skoob | Amazon 

E por que ele me marcou tanto? Bem, primeiro porque foi o primeiro livro que eu ganhei na vida. O ganhei de minha madrinha (esse mesmo da foto) quando tinha 11 anos de idade e, apesar de não lembrar muito da história em si, lembro de todas as sensações que senti no decorrer da leitura. Pollyanna é daqueles livros cheios de mensagens marcantes, com uma linguagem simples, que toda menina (e meninos também) deveria ler um dia.

Guardo esse livro até hoje com muito carinho e tenho um projeto de leitura para ele ainda esse ano.

Meu amor pelo universo literário só cresceu. De 4 anos pra cá comecei a criar minha própria biblioteca e já tenho quase 700 livros em meu acervo pessoal. O amor pela leitura é tão grande que passei de leitora à escritora e agora também faço parte do time daqueles que contam histórias!

Ler para mim é o mesmo que entrar num universo mágico, só meu, onde posso me emocionar junto com os personagens, viajar, conhecer novas culturas, melhorar meu vocabulário e dar asas à minha imaginação. Os muitos universos literários são extremamente mágicos e valem a pena serem explorados.

Leia.Seja

Leia.Seja. é uma campanha realizada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros para valorizar o livro e seu papel transformador na sociedade.

Pedro Bial (Sherlock Holmes)Bela Gil (Capitu)Bernardinho (Capitão Rodrigo), Cauã Reymond (Dom Quixote)Washington Olivetto (Visconde de Sabugosa) e Baby do Brasil (Emília) vestiram sua paixão pelas histórias para transmitir a mensagem de que, ao ler, a pessoa é transportada para quantos lugares, sentimentos e reflexões a imaginação permitir, estimulando a criatividade, a inspiração e o saber.

E você, qual a sua história com a leitura?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários

comments

%d blogueiros gostam disto: