Resenha: Vacas de Dawn O’Porter

Ficção Escocesa/Feminismo. Uma leitura leve com uma carga emocional pesada. É um livro doloroso de ler porque a cada página virada, é um tapa na cara que levamos.

“Um pedaço de carne; feito para reproduzir; além da sua data de vencimento; parte do rebanho.
Mulheres não têm que se encaixar em estereótipos.
Tara, Cam e Stella são estranhas vivendo suas próprias vidas da melhor forma que podem, apesar de poder ser difícil gostar do que você vê no espelho quando a sociedade grita que você devia viver de um jeito específico.
Quando um evento extraordinário cria laços invisíveis de amizade entre elas, a catástrofe de uma mulher vira a inspiração de outra, e uma lição para todas.
Às vezes não tem problema não seguir o rebanho.
Vacas é um livro poderoso sobre três mulheres julgando uma à outra, mas também a si mesmas. Entre todo o barulho da vida moderna, elas precisam encontrar suas próprias vozes.”

Link: Skoob | Comprar: SaraivaSubmarinoAmazonCultura

Resenha

Vamos conversar um pouco sobre feminismo? Esse é um tema que divide opiniões no mundo inteiro e tem estado muito em voga ultimamente. Quando uma mulher assume que luta pela causa, muitos narizes são torcidos, caras reviradas e uma enxurrada de palavras (e atitudes) nada agradáveis recaem sobre a cabeça delas. É bem verdade que isso é culpa de muitas atitudes extremistas e coisas que fogem totalmente do real sentido da causa, mas o feminismo é necessário e as mulheres tem conquistado espaço por causa dele. Não estou dizendo que concordo com extremismos ou com atitudes agressivas, muito pelo contrário. Não acredito em causas que levem pessoas a cometerem atos extremos e prezo por respeito acima de tudo.

Ser feminista é se posicionar e ter o direito de decidir sobre sua vida, seu corpo, seu emprego. É poder mudar de opinião se essa for a vontade da mulher, é não seguir padrões ou rótulos impostos pela sociedade, é decidir se quer ou não ter filhos e não ser tratada como uma aberração por causa de suas escolhas, é ter uma voz atuante, enfim, é ser uma pessoa reconhecidamente capaz de fazer as coisas assim como os homens.

“Vacas” nos apresenta justamente isso. A história de três mulheres, com suas histórias de vida completamente diferentes umas das outras, mas que buscam, no final das contas, um mesmo objetivo: viver da melhor forma possível.

Simplesmente não quero ter filhos. E isso não significa que não sou uma boa pessoa. Pg 86

O livro é todo narrado em primeira pessoa, intercalando a visão entre Tara, Camilla e Stella. Três mulheres que convivem diariamente com os dilemas da vida, mas que lutam por seu lugar ao sol. São três personagens que dá gosto de acompanhar, mesmo diante de seus defeitos e loucuras (em determinados momentos). A autora criou personagens tão reais e concretos que qualquer uma delas poderia ser alguém que nós conhecemos. Super me identifiquei com a Cam e marquei milhões de quotes na parte dos pensamentos dela.

Tara me surpreendeu bastante e acredito que eu teria a mesma atitude que ela se passasse por uma situação semelhante. Stella me deixou ao mesmo tempo sentindo ódio e compaixão, mas no final acabei compreendendo suas atitudes. E compreensão (e empatia) é a palavra chave da mensagem do livro.

Dawn O’Porter não quis escrever apenas uma história que fala sobre empoderamento ou sobre feminismo. A autora aplicou os conceitos do feminismo na história, mas ela nos faz pensar e repensar em muitas atitudes que temos diariamente em relação às outras pessoas. Pré-julgamentos, discurso de ódio, não aceitar o que é diferente, são apenas alguns exemplos do que acabamos fazendo no nosso dia a dia, mesmo quando abrimos a boca e batemos no peito assumindo que somos feministas.

Há vários motivos para o fato de não ter filhos funcionar para mim. Sou escritora e passo a maior parte do tempo sozinha, como já falei. Amo essa parte da minha vida, e sei que precisaria lutar por isso se tivesse um filho. Escrever é minha terapia, meu jeito de me conectar com o mundo. Isso me satisfaz de várias formas e, desde que eu tenha um pensamento na cabeça e uma caneta ou um teclado para escrever, nunca tenho a sensação de que algo está faltando. Pg 86

A leitura é leve, mas tem uma carga emocional pesada. É um livro doloroso de ler porque a cada página virada, é um tapa na cara que levamos. É impossível ler e não pensar em nossas reações diante de várias coisas que já aconteceu conosco nesse mundo internético.

Vacas fala sobre machismo, sobre ser mãe solteira, sobre aborto, sobre atitudes desesperadas, sobre bullying na internet e diversos outros temas que levam o leitor a pensar e repensar em suas atitudes. Pra mim, essa é a melhor leitura de 2017.

Um livro que recomendo para homens e mulheres, afinal, todos deveriam apreciar boas leituras.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários

comments

%d blogueiros gostam disto: