Resenha: O Andarilho das Sombras de Eduardo Kasse

Fantasia. Sangue, mitologia nórdica, vampiros e religiões, esse é o cenário perfeito para uma história sanguinolenta onde  vampiro é vampiro de verdade!

tres flores e meia

O Andarilho das Sombras, romance de Eduardo Kasse, conta uma história instigante de como as escolhas, os caminhos tortuosos e uma maliciosa promessa criaram um grande mal.

Harold Stonecross, protagonista do livro, é carismático, sedutor e fatal. Sempre envolto em mistérios enquanto caminha pelas ruelas escuras e imundas das cidades e vilas medievais da Inglaterra, Irlanda e França dos séculos XI e XII.

Toda a narrativa é permeada e entrelaçada com fatos históricos e pessoas reais, com uma visão ficcional sobre o que poderia ter acontecido – ou aconteceu…

Uma saga de deuses esquecidos, dogmas e mitos em que Harold narra as passagens da sua longa existência, repletas de conexões com tempos passados, presentes, imemoriais, vida humana e renascimento.

O mundo se tornou o seu palco. Homens, mulheres, nobres ou religiosos, não importa: sempre haverá um rastro de sangue após as cortinas baixarem.

Porque as teias do destino há muito tempo foram trançadas…

Essa é a vida do homem que, por desespero e na iminência da morte, recebeu um dom e ao mesmo tempo uma maldição…

Para ele e para a humanidade.

Link: Skoob | Comprar: SaraivaSubmarinoAmazon

Resenha

Sempre fui fã das lendas sobre vampiros e lobisomens. Gosto muito de suas figuras na literatura, então, quando a editora Draco me apresentou esse livro, não exitei em pedir.

Bem sabemos que a lenda do vampiro já foi interpretada por diversas vezes no cinema e nos livros de diversas formas. Desde os mais assustadores seres aos adolescentes que brilham no sol… Em O Andarilho das Sombras nos deparamos com o ser em toda a sua essência de predador exalando charme e sensualidade.

A lenda do vampiro

Quem acompanha a série Penny Dreadful pode conhecer um pouco da história do Drácula e Harold Stonecross, me lembra bastante esse personagem. Não, Harold não é uma imitação do grande lorde das trevas de Bram Stoker, mas a narrativa me faz lembrar esse personagem tão conhecido.

O livro se passa em duas linhas temporais, e em ambas, Harold é o personagem central e principal. Harry é um vampiro oriundo das ilhas britânicas que busca encontrar seu lugar no mundo. No tempo presente acompanhamos a saída de Harold da Inglaterra e sua exploração por todo o continente até chegar à França. Já no passado, temos uma visão de como foi sua vida desde a infância até o dia de sua transformação.

Como um vampiro, o personagem é retratado como uma não-pessoa. Ele é um predador frio, que apesar de ter sentimentos, os humanos pra ele são apenas a fonte de alimento. Ao mesmo tempo que Harry não hesita em matar, ele faz de tudo para manter bem o seu disfarce e conseguir permanecer o maior tempo possível no local que escolheu para morar. No decorrer de sua vida imortal, Harold conhece mulheres nas quais se apaixona e constitui família e assim outros personagens nos são apresentados.

Não tenho como falar muito mais do que já falei sobre a história do livro, pois o tema central aqui é o próprio Harold e sua vida. O livro é uma narrativa de suas caçadas, conquistas e seu modo de vida. O autor se utiliza de fatos históricos e personagens reais para compor o cenário e há uma clara crítica às religiões.

O período histórico, os acontecimentos e costumes da época estão muito bem descritos no livro, mas algumas coisas me incomodaram um pouco na narrativa. O autor focou em algumas coisas que achei irrelevantes e que me causaram certo asco conforme ia lendo. Sem contar no uso de palavrões em demasia em determinados momentos… Isso não torna o livro ruim, apenas me incomodou.

Demorei um pouco para entrar no ritmo da narrativa em duas linhas do tempo. Confesso que me senti um pouco perdida com os cortes dentro do mesmo capítulo, mas depois que me acostumei, consegui me ambientar e a leitura fluiu melhor. O autor descreve tudo com bastante detalhe e o leitor é praticamente jogado dentro do ambiente causando um certo calafrio na espinha de tão real que parece.

Harold é um personagem instigante. Achei muito interessante o que Kasse fez ao separar o antes e depois do personagem. Isso nos deu uma real visão de como Harry era antes de ser transformado e no que ele se tornou com o tempo. O autor deixou bem claro para o leitor que a imortalidade e a luta pela sobrevivência transformar uma pessoa. Mesmo gostando muito de Harold, faltou alguma coisa que não sei explicar para me conectar com a história.

Estou em um conflito interno enorme. O livro é bom, a narrativa é ótima, mas ele não deu certo pra mim. Faltou algo. Faltou aquele estalo. A leitura foi um pouco arrastada por eu não sentir uma ligação com a trama. Quem me acompanha nos blogs sabe que um livro precisa mexer com meus sentimentos e o único sentimento mais forte que senti aqui foi o asco com a descrição de algumas cenas. O mais interessante de tudo isso é que a narrativa é tão boa que me deixou curiosa para ler o próximo livro da série.

Um dos pontos altos do livro, pra mim, é como o autor aborda a religião. Ele aborda temas como a mitologia nórdica, deuses antigos e o catolicismo. Junto a isso, uma narrativa instigante que leva o leitor a ficar curioso e querer ler o próximo capítulo.

Não espere uma história de vampiros  modinha. O nome dessa série já diz tudo o que você pode esperar dela: Tempos de Sangue! Recomendo o livro pra você que gosta de fantasia, vampiros e muito sangue!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários

comments

  • Estou curiosa para a leitura desse livro, mas o que você disse de não se conectar com a trama me desanimou um pouco. Também gosto de livros de têm aquele “estalo”.
    Gislaine | Paraíso da Leitura

%d blogueiros gostam disto: